domingo, janeiro 27, 2019

Sobre as Martas da vida...

Ao longo do tempo, sempre me surgiram Martas pelo caminho.
Hoje, olho para trás e percebo que cada uma delas desempenhou um papel importante na minha vida, porque sobretudo, estavam na hora exacta, no papel e no momento que eu precisava que estivessem.
Lembro-me como a Marta Cristina me ajudou a fazer um embarque pela primeira vez. As conversas que ficaram perpetuadas durante as duas longas horas de comboio que fazíamos quase diariamente. Ou as sete horas de barco. As loucuras de noites de verão, por aquele Douro que foi tão nosso. Ainda é. 
E a outra Marta Cristina da minha vida, a “mia Martixa” que diz que sou o triz dela?... Que esteve sempre lá. Que ajudei a casar. Que vi comprar casa, que vi vencer as lutas dela. Aquela que esteve sempre lá para me ouvir, me escrever, para mandar alguém para o caralho, para chorar juntas. Tantas vezes chorámos de rir também.
Mas hoje, escrevo sobretudo porque, a minha Martita, a Tita, amanhã começa outro caminho profissional. 
Foi há 5 anos e meio sensivelmente que, num dia dos meus “queridos meses de agosto” ela entrou na minha vida, naquele escritório, que ainda hoje é o meu. 
E amanhã, será um novo início de semana, com uma blue Monday mais cinzenta do que o habitual.
A Martita, foi a pessoa que se tornou parte da minha pessoa também. Foi a melhor colega de trabalho, foi, também, uma amiga. 
Criámos tanto juntas, lutámos e discordámos até, por vezes. 
Virámos o mundo do avesso dentro de quatro paredes, rimos e chorámos. Cantámos também. A “Dancing queen” vai ser sempre a tua música, pelo menos na minha memória.
Agora, resta-me aprender a viver sem ti no meu dia a dia, mas com a certeza que, tal como as outras Martas, viverás todos os dias no meu coração e nos meus pensamentos.

Não tenho palavras para descrever o tamanho da gratidão por ter tais Martas na minha vida, mas queria que soubessem que gosto muito de vós. E que sinto a vossa falta também.

A Lily do Valley,
A Triz,
A Wiwi. 


quinta-feira, abril 27, 2017

Questão de tempo.

Ao fim de um tempo, a vida ensinou-me que, afinal, riqueza é sinónimo de tempo. Tempo de vida. Tempo de espera . Mas sobretudo tempo para mim.
O tempo é escasso e a vida é rara e sei que estou a morrer um bocadinho cada vez que sinto que não estou a aproveitar o tempo, que estou a ficar sem tempo.
É realmente ridículo ficar sem algo que nos é dado gratuitamente para usufruir enquanto os pulmões e coração dançarem o mesmo tango.
Queria ter 24 horas por dia e 25 por noite para poder ter o tempo deles, o vosso tempo, o nosso tempo. O meu tempo.
Apenas tempo para dormir, mais tempo. Tempo para tomar o pequeno-almoço descontraidamente. Tempo para ter tempo no trânsito.
Ter apenas 8 horas de tempo de trabalho. Tenho sempre bem mais.
Tempo para cozinhar. Para mimar o meu gato. A minha família. Quem eu amo.
Tempo para todos aqueles de quem me lembro todos os dias e me dói não ter tempo para lhes dizer como penso, me lembro e me preocupo.
Mas hoje, resolvi tirar tempo para partilhar este tempo. Façamos tempo. O tempo das nossas vidas.

segunda-feira, dezembro 05, 2016

Silêncios

Aquele momento em que te desiludem, e mesmo antes de saberes que o fizeram, já o sentes. 
O silêncio é a confirmação que não queres ouvir... Porque a cobardia às vezes também é isto, silêncio envolvido em vergonha que não permite esboçar uma palavra.

Se fizesse um minuto de silêncio a cada desilusão tua, faria um retiro mudo para o resto dos dias.


terça-feira, novembro 22, 2016

Sorrisos...

Queria que soubessem que nada podia ser mais gratificante para mim, do que  encontrar-vos com um sorriso. Um sorriso puro e sincero, que vai além dos lábios e dos olhos, daqueles que vem da alma.
Acredito que o sorriso é o melhor que podemos guardar das pessoas e o vossos, aqueles, ficarão certamente em pedaços de memória. 
Nada é mais gratificante do que ver um sorriso devolvido a uma vida. A uma história. 
Encontrei em vós outro brilho no olhar. Outra forma de expressão facial. Linhas contraídas, lábios curvos que perfazem sorrisos.
Encontrei sorrisos em amanhãs de esperança, em pazes feitas com o passado. Encontrei sorrisos de paz.
De harmonia, amizade e gratidão. 
Encontrei sorrisos como forma habitual de expressão. 
Sorri. De coração cheio. Sorrir, no fim de contas, é também amor. 

[June 2015]

segunda-feira, setembro 19, 2016

Dias assim...

Há momentos impagáveis na vida e tenho comigo a certeza que, dar o que podemos sem reservas, é um deles.
E embora exista nisto algo de "sonhador", levo comigo hoje a mais pura certeza que o universo me dará o dobro em troca.

domingo, junho 12, 2016

State of mind.

Tenho para mim que cada vez mais são as pessoas que nada nos acrescentam, apenas retiram.

quarta-feira, julho 15, 2015

Dentro da carapaça...

Dos animais, tenho para mim que sou daqueles com carapaça.
Como uma tartaruga. Frágil dentro da sua armadura.
Parto de carapaça às costas e com a cautela necessária, caminho devagar, pondo pé firme se sinto que posso. Passo a passo, na minha estrada, aprecio a vida e o que a rodeia a um ritmo que não acompanha a velocidade das minhas vontades, a grandeza dos meus sonhos.
Embarco em viagens, umas vezes no rumo certo, outras em contra-mão.
Encolho-me quando me pegam pela carapaça, com medo de cair. Nunca sabemos onde a vida nos pode pousar.
Será que as tartarugas sabem?
Quando na "sua praia" conseguem nadar velozmente. E eu, que nem sei nadar, sei que tenho uma tartaruga ninja em mim.

Tenho em mim também parte de um caracol, que onde quer que vá leva a casa às costas. Dizem que no fim de contas, casa é onde o coração está. Gosto de pensar que o tenho comigo, umas vezes no peito, outras... Sei lá.
Será que os caracóis também carregam o coração às costas?
Além dos que faço no cabelo, naturalmente ou porque os enrolo, gosto de caracóis.
A vida é tão melhor quando nos enrolamos. Quando abraçamos os sonhos com alma, as pessoas, quando nos entrelaçamos nas coisas, com o coração. Quando nos "babamos" de mimo. Quando deixamos os outros "babados".
E se eu fosse um caracol, andaria sempre com "corninhos ao sol". À chuva também. A vida é tão melhor fora da carapaça, sabiam caracóis?

Tenho também em mim um ouriço-cacheiro, que de sua natureza, não picam por ataque, apenas por defesa.
Pico por brincadeira, e por vezes acabo picada na teia.
Pico quando me irrito, quando desconfio, quando me sinto em perigo.

E o que levo de hoje, é que entre passos lentos ou baba e ranho que choro e picos no caminho que piso, tenho debaixo da carapaça, todo o meu tesouro.