Pedaços

quarta-feira, maio 20, 2009

Não sei...

"Não sei, mas há um sentimento novo em mim a teu respeito...
Seria preciso que tu viesses debaixo de uma grande chuva, cheia de uma piedade infinita, e que me desses imediatamente todo o teu carinho - todo o carinho da tua alma.

Seria preciso que me desses meu abandono, todo o teu abandono. Que só eu estivesse em ti, que me abrigasses no teu coração com uma violência realmente maternal. Seria preciso tudo isso para que o nosso amor estivesse salvo.

É preciso que saibas que tenho sofrido estes dias e por onde tenho andado. É preciso que eu me confesse a ti. Mas não o posso. Não tenho, em ti, a grande confiança que é o sinal da unidade das almas.

No fundo de mim, há uma grande reserva a teu respeito. Uma movimentada atitude de espreita. Será melhor morrer do que continuar assim. Procedeste com uma futilidade que nunca te perdoarei... Nada neste mundo te deveria fazer deixar de estar comigo domingo, neste domingo em que ia ter contigo, em que eu ia pensar contigo.

Perdoei sempre as tuas indecisões a meu respeito, mas não posso esquecer que preferiste a mim essa vida estúpida e nua de praia de banho.

É melhor não me veres mais do que me fazeres sofrer assim. Não perdôo a tua leveza diante de minha alma, alma trágica, a alma de uma gravidade que não supões, de uma experiência na dor e no pensamento que a tua infância não sabe avaliar. Eu me enganei contigo. O meu amor não devia ser teu. Tu o desconheces inteiramente. Tu não lhe prestas a atenção que ele merece.

Estou sozinho. Mil vezes não te tivesse conhecido. Mil vezes não tivesse encontrado essa aparência que és tu, incapaz de uma longa degradação como eu sou. O que me causa horror é o seu desapreço por mim, homem de pensamentos, a tua desatenção pelo espírito que eu sou. Que tenhas feito do homem uma longa brincadeira, está bem, é de mulher nascida de mulher, embora não seja nobre nem justo - mas que tenhas te esquecido de mim..."

sexta-feira, maio 15, 2009

Conversas com o Espelho

Faz tempo que eu não marco encontros na agenda contigo Liliana...
Faz tempo que não te dedico o meu tempo...
Faz tempo que não vou tomar um café contigo e fico a ouvir-te em silêncio até tu te cansares de falar...
Faz tempo que eu não deixo que os teus olhos expulsem lágrimas que a tua alma não quer mais...
Faz tempo que a tua companhia se tornou a música e os livros...
Faz tempo que não vamos ver o mar...
Que não me sento contigo... Que te deixo ser quem és... Que te deixo libertares-te...

Tenho saudades tuas Liliana... E a culpa é minha...

É mais fácil para mim evitar-te... Esconder-me de ti... Esconder-me dos teus sentimentalismos... Das tuas fraquezas e sensibilidades... Vivo melhor sozinha com a minha racionalidade... Mais terra a terra... Mas contudo, menos coração a coração...

Tenho saudades Liliana...

Às vezes esqueço-me que não serve de nada proteger-me, esquecendo-me de ser quem sou...

Mas prometo-te: Há-de chegar o nosso tempo, eu vou procurar-te dentro de mim e vou agarrar-te... E vamos ver o mar... Vamos chorar... E vamos voltar para casa de mão dada...

E há-de fazer-se o tempo...
Tempo de ter paz comigo...
Contigo Liliana...


LP

terça-feira, maio 12, 2009

Mil Vezes...


Quando uma alma se aproxima da nossa vida com o intuito de ficar, não o faz somente em busca de conhecimento, apoio ou qualquer tipo de suporte. É por aqueles pedaços que vão levando, e por aqueles vão deixando, que ficam na nossa vida por determinado intervalo de tempo...
Até cumprirem a sua missão... Mas...
Mil vezes não houvessem missões a cumprir, não houvessem pedaços para deixar...
Menos ainda para levarem...
Mil vezes a nossa vida não passasse a ser a vida deles...
Mil vezes não tivessemos que abrir mão daquilo a que nos habituamos a ter...
Mil vezes nao tivessemos que abrir mão de nós...
Mil vezes não tivessemos que abrir mão de alguém para descobrirmos que ainda gostamos de nós mesmos...
Mil vezes não tivessemos que sorrir com meras lembranças...
Mil vezes não existesse o passado.
Mil vezes não houvesse noção de tempo.
Mil vezes o tempo não estivesse restrito à duração de uma vida...
Mil vezes a vida não estivesse restrita à morte...
Mil vezes a morte não fosse a ùltima saída...
Mil vezes a vida não fosse o oposto da morte...
Mil vezes a vida nao fosse o começo do fim...
Mil vezes o amor desse mais vida do que se morresse de amor...
Mil vezes o amor nascesse com a vida e jamais morresse com a morte...
Mil vezes voltar a nascer...
Mil vezes aprender a Andar.
Falar.
Mil vezes Escutar.
Mil vezes abraçar.
Sorrir.
Meditar.
Saborear.
Mil vezes deitar a sorrir.
Acordar a cantar.
Mil vezes comer o nosso prato preferido.
Mil vezes usar o nosso perfume especial.
Mil vezes sentirmo-nos uteis.
Mil vezes ouvirmos o coração bater.
Mil vezes gravar momentos.
Mil vezes falar sem medo.
Rir sem receio.
Pensar sem barreiras.
Mil vezes festejar.
Mil vezes mandar flores.
Enviar cartas.
Oferecer presentes.
Mil vezes ficar acordado a olhar a noite.
As estrelas.
A ti.
Mil vezes sonhar acordado.
Mil vezes sonhar alto.
Mil vezes desejar.
Mil vezes viajar.
Mil vezes ouvir a tua música favorita.
Mil vezes sentir a adrelina.
Mil vezes temer a vida.
Mil vezes correr o risco.
Mil vezes aventurar-se.
Mil vezes andar sem olhar para trás.
Mil vezes ir em frente.
Mil vezes remar a bom porto.
Mil vezes atravessar a ponte sem medo de cair.
Mil vezes levantar.
Mil vezes dar a mão.
Mil vezes torcer por nós.
Mil vezes olhar pra ti e não cansar. Gostar.
Mil vezes admirar o teu sorriso.
Sorrir contigo.
Mil vezes perder-me contigo.
Comigo.
Sem mim.

Mil vezes...

Mil vezes não dizer adeus.
Mil vezes, até sempre.

[2007]

domingo, maio 10, 2009

Sharing

Às vezes falta-me o tempo, outras vezes falta-me a vontade... E outras vezes até, as palavras para escrever...
Mas contudo, arranjei um pouco de tempo e de vontade, e com o mínimo de palavras resolvi escrever que...
Para cada momento tenho uma música...
E hoje, esta é a minha música de fundo... Que embala o meu estado de espírito...

Sigur Ros - "Njosnavelin (Nothing song)"...


Desafio do João

Este selo foi-me oferecido pelo João :)

Muito Obrigada
João! :)

E uma vez recebido...


O que temos a fazer é o seguinte:

1º - Colocar o selo no blogue
2º - Divulgar as regras
3º - Dizer 5 coisas que gosto na vida
4º - Indicar 10 blogues para os quais o envio
5º - Informar os blogues indicados que receberam o selo.



E então 5 coisas que eu gosto na vida:

  • Gosto de ter música à minha volta, em todo o lado...
  • Gosto de visitar amigos que já não vejo há uns tempos e sentir que tudo permanece como que se estivessem comigo todos os dias...
  • Gosto de ir ao café beber meia de leite e comer uma torrada com a minha mãe ao domingo de manhã...
  • Gosto de surpresas...
  • Gosto de entrar no meu quarto, sentir que fecho a porta para o mundo lá fora e a abro para o meu mundo...
E agora deixo o desafio a:

Where is my soul hiding?
Aqui eu...
Metamorfoses vividas
Moonlight
Sonhos de um anjo
Segredo da Lua
Onde me esperas
More than feelings

Inside me
5 sentidos e 1000 emoções


Thank You aLL.

quinta-feira, maio 07, 2009

Agradeço...


Por este selo que me foi oferecido por: Where Is My Soul Hiding =)

Ao receber o selo deve-se:

  • Listar 7 coisas que nos façam sorrir.
  • Indicar o selo a 5 blogs que nos façam sorrir.
  • Informar aos blogs indicados que eles receberam o selo.
E posto isto...

O que mais me faz sorrir é:

Em primeiro, ter o sorriso da minha mãe todos os dias...
Em segundo... Ter uma "mão cheia" de amigos, de bons amigos e saber que gostam de mim...
Em terceiro, ter saúde para dar e vender...
Em quarto, poder dizer que trabalho em algo que me faz sorrir só de pensar...
Em quinto, saber que nunca vou estar sozinha...
Em sexto, poder marcar cafés despreocupados com o pôr-do-sol...
Em sétimo e por último, sorrio pelo simples facto de ter já tantos motivos para sorrir... E por levar a vida com o meu sorriso...

E então os nomeados para os que me fazem sorrir são:

  • Rabiscos e Safanões Porque sorrio ao encontrar sempre tantas semelhanças na minha caminhada pela vida com os textos que encontro nesse cantinho...
  • Lost in a thought Porque o João tem uma forma sempre tão genuína de transmitir os pensamentos que faz sorrir enquanto me perco neles...
  • Paradoxos Porque não dá para ficar indiferente à forma paradoxal que o Edu escreve...
  • Templo do Amor Porque o Rui tem sempre uma força incrível nas palavras, que me faz sorrir...
  • Arroz com marmelada Porque mais do que sorrir, faz-me rir...