Pedaços

sábado, outubro 02, 2010

Há dias...

"Há dias, sabes, em que gostava de ser como o gato e que me tocasses sem desejar encontrar quaisquer sentimentos a não ser o que se exprime num espreguiçar muito lento - um vago agradecimento? - e que depois me deixasses deitado no sofá sem que nada pudesses levar da minha alma, pois nem saberias o que dela roubar.."


( Pedro Paixão)

quarta-feira, setembro 29, 2010

Coração em mudanças.

E era capaz de empacotar todas as recordações, reciclar cicatrizes e partir com o meu coração às costas... No entanto, ele pesa toneladas... Não quer adaptar-se a outro lugar... Diz ter medo, da solidão dos dias... E principalmente das noites... Em que teria que encontrar mesas, camas e sofás vazios... Saborear pratos sem opiniões e filmes sem rescaldos...
Não saberia mais bater sem ter por perto o sopro de vida dele, que é também o meu. Sem ter os corações que batem em harmonia com ele...
E vivo na guerra entre ele e a minha consciência, que me faz perder noites de sono... Que quer a todo custo encontrar uma outra almofada que a deixe dormir de noite, não porque esta seja dura... Mas por ela ser dura demais com ela mesma.
Por achar que o coração dela é pequeno demais, por o diminuir a cada dia... Por se agredirem mutuamente, numa luta para que um deles sempre prevaleça.

Não digo que ganhe o melhor... Mas que ganhe aquele que conseguir ceder. Aquele que aceitar caminhar de mãos dadas com o outro, rumo a um lugar, ou até este mesmo, onde ambos possam respirar o mesmo ar. Felizes.

quinta-feira, setembro 23, 2010

Era uma vez... Nós.

Lembro-me daquela tarde como se fosse hoje, sabias? O céu estava tão pintado de cinzento como hoje.
Lembro-me de fazer aquela viagem de comboio e saber bem lá no fundo que era a última que fazia para te ver... Sabes, uma mulher sente, sabe, quando as coisas acabam... A cabeça renega-lhes o que o coração sussurra... Mas uma mulher sempre sabe... E sim, eu sabia...
Lembro-me do teu sorriso... Guardei comigo um sorriso fotográfico, eu acredito que o sorriso é o melhor que podemos guardar de alguém...
Lembro-me das pernas me tremerem literalmente enquanto descia do comboio...
E das lágrimas que me escorriam e queimavam o rosto enquanto te via afastares-te sempre a olhar para trás...

Minutos depois o comboio partiu...
Sem retorno...



Runaway train...

2004

segunda-feira, setembro 06, 2010

Parafusos fora do sítio...

Tenho aquela dor que magoa, que gira a faca no peito, para a esquerda e direita... A tentar desaparafusar parafusos moídos, que já nada apertam mas remoem...

Aquela dor seca, que é molhada por lágrimas enxutas, que já só da memória caem. Não porque goste de ti. Mas porque tenho saudades. Do que tinha... E não mais tenho.

domingo, julho 25, 2010

Pega no telefone e liga-lhe.

Pega no telefone e liga-lhe, não tens nada a perder.
Diz-lhe que tens saudades dele, que ninguém te faz tão feliz, que os teus dias são secos, frios e àridos, como um deserto imenso, sem oásis nem miragens agora que não estão juntos.
Pega no telefone e liga-lhe, se ele não atender, deixa-lhe uma mensagem.

Ou então escreve-lhe um sms a dizer que queres estar com ele.
Não te alongues nem elabores, os homens nunca percebem o que queres deixar cair nas entrelinhas.
Tens de ser clara, directa, incisiva. E não podes ter medo, porque o medo é o maior inimigo do amor.
E cada vez que deixares o medo entrar nas tuas veias, ele vai gelar-te o sangue e paralisar-te os nervos...
Ficas transformada numa estátua de sal e morres por dentro.

A vida é uma incógnita, hoje estás aqui, amanhã podes ficar doente, ou cair-te um piano em cima quando fores a andar na rua.
Ainda há pessoas que atiram pianos pela janela, sabias?

Nunca se sabe o que é o dia de amanhã, por isso não percas tempo, pega no telefone e liga-lhe.
Tenho a certeza que ele te vai ouvir, tenho a certeza que ele te vai ajudar, tenho a certeza que ele, à sua maneira – E é tão estranha a forma como os homens gostam de nós – ainda gosta de ti.
Mesmo que ja não te ame, ainda gosta de ti, como tu vais aprender a gostar dele quando a vida te obrigar a desistir deste amor.
Ele está longe, mas olha para ti por entre memórias, presentes e flores.
À noite, entre sonhos alterados pelo alcoól e as drogas leves, tu apareces-lhe na cama e ele volta a sentir o cheiro da tua pele e volta a amar-te com todas as suas forças.
Ainda que não acredites, tu viverás para sempre nele, tal como ele vive em ti...
Na memória das tuas células, num passado que pode ser o teu escudo, mesmo que não seja o teu futuro.

Pega no telefone e liga-lhe.
Fala com ele de coração aberto, diz-lhe que o queres ver, chora se for preciso, pede-lhe que te diga se sim ou se não.
Se for preciso, por mais que te custe, pede-lhe para te escrever a palavra NÃO.
Pede-lhe uma resposta para o teu coração.
Mais vale saberes que acabou tudo do que viveres com as laranjas todas no ar, sem saberes nem como nem quando elas vão cair.
Mais vale chorar a tristeza de um amor perdido do que sonhar com um oásis que se transformou numa miragem.

Pega no telefone e liga-lhe...
Ligas as vezes que forem precisas...
Até conseguires uma resposta, a paz de uma certeza, mesmo que essa certeza não seja a que desejas ouvir.
Mas não fiques quieta, à espera que a vida te traga respostas.
A vida e' tua, tens de ser tu a vivê-la, não podes deixar que ela passe por ti, tu é que passas por ela.
E nunca deixes de sonhar que um dia...
Vais encontrar alguém mais proximo e mais generoso que te ensine a ser feliz...
Mesmo com todas as pedras que encontrarem no caminho.

Muda de vida.

A vida vai mudar contigo.

[MRP]

domingo, julho 04, 2010

Procurar-te-ei...

«Procurar-te-ei até te encontrar, mesmo que só te encontre em corpos onde não estás...»




Como se diz tanto, em tão pouco.

sábado, maio 15, 2010

Vidas ao contrário

Cruzo-me com aqueles que tanto gostam de mim e que nunca vão ser meus... Aqueles que nunca serei capaz de amar e provavelmente me vão amar por toda a vida...
Conheço pessoas lindas, que fazem questão de mostrar o seu carinho e apreço por mim... E no entanto, nada me dizem, senão o imenso respeito que tenho por elas e pelos seus sentimentos por mim...

Amei aqueles que hoje já tem as suas "tais"...
Aqueles que nunca me poderiam nem saberiam amar...
E ainda aqueles que nem sabem que existo...

Vivo com aqueles que gosto...
Aqueles que pegaram em mim ao colo...
Aqueles que me ensinaram a distinguir o bem do mal... O certo do errado...

Dou-me aqueles que nunca me vão abandonar...

Entrego-me por vezes a quem sei que está de partida.

E no entanto, com tanto que dou, que recebo e que perco, sou eu.

Aconteceu

Aconteceu...
Eu não estava à tua espera
E tu não me procuravas
Nem sabias quem eu era
Eu estava ali só porque tinha que estar
E tu chegaste porque tinhas que chegar
Olhei para ti
O mundo inteiro parou
Nesse instante a minha vida
A minha vida mudou...

Aconteceu...
Chama-lhe sorte ou azar
Eu não estava à tua espera
E tu voltaste a passar
Nunca senti bater o meu coração
Como senti ao sentir a tua mão
Na tua boca o tempo voltou atrás
E se fui louca
Essa loucura
Essa loucura foi paz...

Ana Moura

quarta-feira, abril 14, 2010

Um ano depois...

Um ano passou, desde que chorei As minhas últimas lágrimas por ti... Na verdade, não foram as últimas, pois nem sempre consigo sobrepor a Razão às Emoções. Nem sempre consigo segurá-las. Nem sempre consigo arrancar sorrisos, que não tenho, do fundo da minha alma...

Natal. Tinha o teu lugar vazio na mesa... Não tinha presentes para tu abrires debaixo da minha árvore... Não tinha o teu abraço nem desejo de um Feliz Natal. Não tinha mais do que um simples sms. E no entanto, esse vazio não poderia ser preenchido com nada ou ninguém senão tu. Senti a tua falta. Chorei...

Fevereiro. 10 meses após teres ido embora, decidimos encontrar-nos. Sentir o teu abraço como se fosse a primeira ou a última vez que o fizesses, espremeu-me todo o ressentimento que havia em mim em relação a ti.
Foste embora e mais uma vez chorei por ti. Lágrimas de mágoa por nos teres deixado, por me fazeres tanta falta, por me fazeres mais falta do que podia imaginar...
Hoje, estás presente, mas ausente.
Vejo-te e já não choro. Creio que a fonte das minhas lágrimas por ti secou... Mas o meu carinho por ti, nunca secará.
Somos demasiado parecidos, já me detestei por isso. Hoje, sei que é a forma mais pura de te ter em mim. Sei que não és a melhor pessoa do Mundo, mas tens um coração imenso. Nunca foste, nem serás um bom Pai ou Marido, mas és ainda assim o meu Pai, e eu admiro-te. E aceito-te. Errante. Sim, também eu o sou.

Gosto de ti, Pai.

segunda-feira, abril 05, 2010

Ela.

Ela, é aquela sem a qual a minha vida não teria sentido.
É aquela que todos os dias me conhece e apesar disso me ama um pouco mais.
É aquela para quem eu nem sempre tenho os melhores modos do mundo, mas me recebe sempre com as mais doces palavras.
É ela que se senta só para ouvir como foi o dia.
É ela que compreende as minhas dores de cabeça, as minhas birras e faltas de paciência, e no fim tem um beijo de boa noite para me dar.
É ela que faz o meu prato favorito.
Passa a roupa que eu preciso...
É ela que cuida de mim quando estou doente...
É ela que apesar da proximidade, tem sempre necessidade de me sentir mais perto.
É ela que é a dona do sentimento mais puro que habita em mim.
É a ela que eu admiro. É como ela que eu vou querer ser sempre.
Sempre como tu, Mãe.