Pedaços

quarta-feira, abril 14, 2010

Um ano depois...

Um ano passou, desde que chorei As minhas últimas lágrimas por ti... Na verdade, não foram as últimas, pois nem sempre consigo sobrepor a Razão às Emoções. Nem sempre consigo segurá-las. Nem sempre consigo arrancar sorrisos, que não tenho, do fundo da minha alma...

Natal. Tinha o teu lugar vazio na mesa... Não tinha presentes para tu abrires debaixo da minha árvore... Não tinha o teu abraço nem desejo de um Feliz Natal. Não tinha mais do que um simples sms. E no entanto, esse vazio não poderia ser preenchido com nada ou ninguém senão tu. Senti a tua falta. Chorei...

Fevereiro. 10 meses após teres ido embora, decidimos encontrar-nos. Sentir o teu abraço como se fosse a primeira ou a última vez que o fizesses, espremeu-me todo o ressentimento que havia em mim em relação a ti.
Foste embora e mais uma vez chorei por ti. Lágrimas de mágoa por nos teres deixado, por me fazeres tanta falta, por me fazeres mais falta do que podia imaginar...
Hoje, estás presente, mas ausente.
Vejo-te e já não choro. Creio que a fonte das minhas lágrimas por ti secou... Mas o meu carinho por ti, nunca secará.
Somos demasiado parecidos, já me detestei por isso. Hoje, sei que é a forma mais pura de te ter em mim. Sei que não és a melhor pessoa do Mundo, mas tens um coração imenso. Nunca foste, nem serás um bom Pai ou Marido, mas és ainda assim o meu Pai, e eu admiro-te. E aceito-te. Errante. Sim, também eu o sou.

Gosto de ti, Pai.

segunda-feira, abril 05, 2010

Ela.

Ela, é aquela sem a qual a minha vida não teria sentido.
É aquela que todos os dias me conhece e apesar disso me ama um pouco mais.
É aquela para quem eu nem sempre tenho os melhores modos do mundo, mas me recebe sempre com as mais doces palavras.
É ela que se senta só para ouvir como foi o dia.
É ela que compreende as minhas dores de cabeça, as minhas birras e faltas de paciência, e no fim tem um beijo de boa noite para me dar.
É ela que faz o meu prato favorito.
Passa a roupa que eu preciso...
É ela que cuida de mim quando estou doente...
É ela que apesar da proximidade, tem sempre necessidade de me sentir mais perto.
É ela que é a dona do sentimento mais puro que habita em mim.
É a ela que eu admiro. É como ela que eu vou querer ser sempre.
Sempre como tu, Mãe.