Pedaços

terça-feira, julho 15, 2014

Se arrependimento matasse...

Provavelmente já não escreveria este amontoado de palavras.
Diria muita boa gente: "Palavras, leva-as o vento"; "tristezas não pagam dívidas" e para terminar o rol de frases feitas: "Desculpas não se pedem..."; bom, esta nem preciso de gastar o meu tempo a terminar. Quem nunca pediu desculpa?
Hoje tirei do meu tempo (o meu tempo de sono), aquele que nem meu é - o tempo é-nos dado de forma gratuita enquanto o temos - para dizer: Desculpem-me.

Arrependo-me por todas as vezes que fui tão obtusa. 
Tão teimosa. Tão cabra egoísta.
Pelas vezes que não quis ouvir ninguém e pelas em que achei que só eu poderia ser dona da razão.
Por ser intolerante.
Por não valorizar o quanto devia.
Por não verbalizar. Por me retrair quando não devia.
Por me esconder.
Por ocultar.
Por adiar.
Por não correr atrás.
Por todas as vezes que menosprezei o Amor. 
Por todas as vezes em que não disse gostar.
Desculpem as lágrimas que não chorei. As que contive. As que derramei. 
Desculpem-me por não desculpar também. 
Desculpem-me se me atrasei...

Mas ainda assim, perdão.


segunda-feira, julho 14, 2014

Lisboa...

Lisboa são viagens de 300km a partir de casa, da Invicta, o meu lar. São experiências. São momentos. Dos inesquecíveis.
São pessoas. Das insubstituíveis.
São cores. É luz. 
É um idioma que não se traduz.
São abraços, são beijos, são "Olás" e "Adeus" por pedaços.
É o Chiado, a Alfama, Sintra, Belém, Algés.
É correr a capital de lés a lés.
São os meus chãos, os teus e os de ninguém.
É o cais das colunas, o Tourel e os manos do Cacém.
São os tios de Cascais, são os pescadores... 
É o gin da Bica e o hidromel dos trovadores.
Lisboa é um barafustar pela calçada. 
São pessoas cheias de tudo e almas cheias de nada.
Lisboa é tempo que escassa.
Lisboa é fado.
São pessoas más e boas.
São Portas de Sol, de Benfica... São braços de prata.
São corações de ouro.
É o Bairro Alto, é um tesouro.
Lisboa é menina e moça.
São encontros e desencontros... 
São amores.
São histórias.
São sonhos inacabados.
São vidas. Várias. 
Entrelaçadas na minha; que também é tua, Lisboa.

domingo, julho 06, 2014

Todos por um...

A vida consegue sempre surpreender-nos. As pessoas. Quando menos esperamos...
Graças a uma "futilidade", senti bondade onde menos contava. 
Em pessoas que conheci a vida toda e que sempre estiveram do meu lado. Encontrei-as no mesmo sítio.
Em pessoas que conheço mas que raramente falamos e quiseram mostrar que fazem o que for, quando preciso.
Em pessoas que eu não sabia que estavam.
Em pessoas que tem apreço. Naquelas que sempre tiveram respeito. Nas que nunca deixaram de sentir carinho.
Sobretudo, senti bondade de mão dada com a boa vontade.
Pessoas que não conheço mas de algum jeito vou conhecendo todos os dias, que não partilham chãos comigo, mas partilham palavras. 
Pessoas que partilharam da sua bondade, do seu tempo, gratuitamente, por mim.
Não posso expressar a gratidão que sinto.
Obrigada, a ti que perdeste o teu tempo por mim.
A ti, que te preocupaste.
A quem todos os dias se lembrou.
A quem tomou iniciativa.
A quem apelou à sua criatividade por mim.
A quem me fez sentir amiga. Querida. Prezada.
A quem fez do seu amigo, meu amigo também.

No final, posso não ter cumprido o objectivo, mas a caminhada foi gloriosa. Levo o coração cheio. Ganhei amigos.
Relembrei amigos. Dei ainda mais valor aos antigos.


É uma vitória ter tanta gente de bom coração na vida, na linha do tempo, na caminhada pela vida.


Só vos posso estar grata,

Um enorme bem-haja.

Ja ganhei. Tenho-vos.