Pedaços

sexta-feira, dezembro 25, 2009

Feliz Natal e Próspero Ano Novo


A todos os visitantes, amigos, conhecidos, leitores e seguidores deste Blog...

Obrigado por todas as palavras que aqui me deixaram.
Obrigado por todos os minutos que me dedicaram enquanto as minhas letras leram.
Obrigado pela companhia.

Obrigado.

Com carinho,

Unknown one.

terça-feira, outubro 20, 2009

Eu... A 50%


Há dias, (tantos) em que sinto que vivo a meio gás, que sinto a meio gás... Que sou eu, a meio gás...
Sinto que não dou quanto tenho, não faço quanto queria, não respiro tanto quanto os meus pulmões me permitem...
Desde sempre senti que há tanto em mim que ninguém conhece... Que nunca vem acima... Tanto que me deixa a pensar, como seria se me vissem assim realmente?
Todos os dias deixo palavras a meio... Pensamentos perdidos... Gestos reprimidos...
E porquê?
Toda a gente me diz "Boa Pessoa" seja lá o que isso for... Mas... Não sou mais feliz por isso...
Adormeço a pensar se gostariam de mim, se soubessem que sou pequena... Que uso tacões altos na minha alma, para me sentir maior todos dias...Como seria soubessem que também sofro... Que também choro à noite antes de adormecer... Que não sou tão forte nem segura quanto aparento todos dias...
E depois, e apesar de tudo isto... Parece que perco o interesse tão facilmente... Na vida...
Tal como os outros perdem em mim...

Não quis cuidar palavras, não quis escolher as melhores palavras para falar de mim...
Pelo menos com elas, eu sou eu, a 100%. Elas não me julgam, e afinal, não tem de gostar de mim.

terça-feira, outubro 06, 2009

O amor visto pelas crianças...

«O amor é quando vais comer fora e dás grande parte das tuas batatas fritas a alguém, sem a obrigares a darem-te das dele.»
Chrissy, 6 anos


«O amor é o que te faz sorrir quando estás cansado.»
Terri, 4 anos


«O amor é quando a minha mamã faz café ao meu papá e bebe um golinho antes de lho dar, para ter a certeza de que o sabor está bom.»
Danny, 7 anos


«O amor é quando dizes a um rapaz que gostas da camisa dele e, depois, ele usa-a todos os dias.»
Noelle, 7 anos


«O amor é quando um velhinho e uma velhinha ainda são amigos, mesmo depois de se conhecerem muito bem.»
(nem Sócrates, Descartes ou Freud diriam algo mais certo...)
Tommy, 6 anos


«A minha mãe ama-me mais do que ninguém. Não vês mais ninguém a dar-me beijinhos para dormir.»
Clare, 6 anos


«Amor é quando a mamã dá ao papá o melhor pedaço da galinha.»
Elaine, 5 anos


«Amor é quando a mamã vê o papá bem cheiroso e arranjadinho e diz que ele ainda é mais bonito do que o Robert Redford.»
Chris, 7 anos


«Amor é quando o teu cãozinho te lambe a cara toda, apesar de o teres deixado sozinho todo o dia.»
Mary Ann, 4 anos


«Quando amas alguém, as tuas pestanas andam para cima e para baixo e saem estrelinhas de ti.»
Karen, 7 anos


«Nunca devemos dizer 'Amo-te', a menos que seja mesmo verdade. Mas se é mesmo verdade, devemos dizer muitas vezes. As pessoas esquecem-se.»
Jessica, 8 anos


E a última? O autor e conferencista Leo Buscaglia falou de um concurso em que ele teve de ser júri. O objectivo era encontrar a criança mais cuidadosa.

A vencedora foi um rapazinho de quatro anos, cujo vizinho era um velhote que perdera recentemente a sua esposa. Depois de ter visto o senhor a chorar, o menino foi ao quintal do velhote, subiu para o seu colo e sentou-se. Quando a mãe perguntou o que dissera ao vizinho, o rapazinho disse:

"Nada, só o ajudei a chorar"

quarta-feira, agosto 26, 2009

A Pessoa Certa...

A pessoa certa não é a mais inteligente, a que nos escreve as mais belas cartas de amor, a que nos jura a paixão maior ou nos diz que nunca se sentiu assim. Nem a que se muda para nossa casa ao fim de três semanas e planeia viagens idílicas ao outro lado do mundo. A pessoa certa é aquela que quer mesmo ficar connosco. Tão simples quanto isto. Às vezes demasiado simples para as pessoas perceberem. O que transforma um homem vulgar no nosso príncipe é ele querer ser o homem da nossa vida. E há alguns que ainda querem.

Os verdadeiros Príncipes Encantados não têm pressa na conquista porque como já escolheram com quem querem passar o resto da vida, têm todo o tempo do mundo; levam-nos a comer um prego no prato porque sabem que no futuro nos vão levar à Tour d’Argent; ouvem-nos com atenção e carinho porque se querem habituar à música da nossa voz e entram-nos no coração bem devagar, respeitando o silêncio das cicatrizes que só o tempo pode apagar. Podem parecer menos empenhados ou sinceros do que os antecessores, mas aquilo a que chamamos hesitação ou timidez talvez seja apenas uma forma de precaução para terem a certeza que não se vão enganar.

O Príncipe Encantado não é o namorado mais romântico do mundo que nos cobre de beijos; é o homem que nos puxa o lençol para os ombros a meio da noite para não nos constiparmos ou se levanta às três da manhã para nos fazer um chá de limão quando estamos com dores de garganta. Não é o que nos compra discos românticos e nos trauteia canções de amor no voice mail, é o que nos ouve falar de tudo, mesmo das coisas menos agradáveis. Não é o que diz Amo-te, mas o que sente que talvez nos possa amar para sempre. Não é o que passa metade das férias connosco e a outra metade com os amigos; é que passa de vez em quando férias com os amigos. O Príncipe que sabe o que quer, não é o melhor namorado do mundo; é o marido mais porreiro do mundo, porque não é o que olha todos os dias para nós, mas o que olha por nós todos os dias...

...

Que quando está cansado fica em silêncio, mas nunca deixa de nos envolver com um sorriso. Não precisa de um carro bestial, basta-lhe uma música bestial para ouvir no carro. Pode ou não ter moto, mas tem quase sempre um cão.

...

Cozinha o básico, mas faz os melhores ovos mexidos do mundo e vai à padaria num feriado. O Príncipe é um Príncipe porque governa um reino, porque sabe dar e partilhar, porque ajuda, apoia e nos faz sentir que somos mesmo muito importantes.

...

E como o melhor de estar vivo é saber que tudo muda, um dia muda tudo e ele aparece. Depois, é só deixa-lo ficar um dia atrás do outro... e se for mesmo ele, fica.

[MRP]

sábado, agosto 01, 2009

31 de Julho...

Faz anos que a Minha Mãe me concebeu...

Senti-me a envelhecer Feliz... Não só porque afinal é o meu dia, mas também por todas as manifestações de carinho que recebi... Pessoas que estão longe, pessoas que estão sempre perto, outras ainda que raramente falamos, agradeceram-me por ter nascido... Por fazer parte da vida delas...

O 31 de Julho, desde que me conheço já foi marcado com tristezas e alegrias... Mas sobretudo com esperanças...

Nessa noite, fomos poucos... Mas fomos o brilhos nos olhos uns dos outros... Não só por isto, mas também... E por me terem feito sentir tão especial...

Aqui ficamos nós, e um bem haja, ao dia 31, ao dia de hoje e Sempre.

quinta-feira, julho 16, 2009

HIV

Hoje decidi que tinha de escrever sobre isto...

Tenho conversado com uma pessoa que provavelmente já mudou a minha vida... Há dias perguntou-me "Já alguma vez fizeste o teste do HIV?" e fiquei suspensa na pergunta... Não, nunca fiz.
Essa pessoa sente receio de estar infectada e tenho vivido lado a lado com ela e partilhado a angústia dela, o medo, a paranóia de estar infectada... Não consigo sequer suportar a ideia de que algo assim me possa acontecer... Bastava-me a mim ter essa dúvida para provavelmente passar muitas noites em claro, não conseguir ser minimamente racional...
É um tormento... Dou comigo imensas vezes a pensar nisto ao dia... É algo tão real, mas parece que fica adormecido na nossa mente... Ouvimos falar disto quase todos dias, no entanto ignoramos.

Eu sinto que só agora realizei o quanto quero realmente poder vir a ter uma família, a minha, e saudável. Quero ter a oportunidade de viver, livremente... Comigo e com os outros...

Hoje, rezo que essa pessoa esteja saudável... E sinto, que apesar de nunca me ter exposto a riscos, eu mesma já levei uma lição de vida só por a acompanhar nesta caminhada até ao resultado dos testes...

E tu? Já pensaste nisto?

terça-feira, junho 23, 2009

Olhos de Ver

Sabem quando não há nada de novo para contar? Quando nos perguntam "O que tens? O que se passa?" e na verdade "Não se passa nada"... E o facto de "não se passar nada" nos incomoda...?
Quem nunca se sentiu assim?

Quem nunca sentiu que era um mero espectador da sua vida? Que a via passar à frente... De fora...

Mas felizmente somos sempre o actor principal da nossa história... E não é preciso estar apaixonada para ver a vida em tons de rosa...

Para conseguir sorrir com o sorriso duma criança...

Para me sentir em casa cada vez que chego à minha terra...

Para acordar e dizer à minha mãe "Bom dia Alegria!" e receber o maior sorriso do mundo...

Para abraçar os meus amigos e ver o sol nos seus corações...

Para ajudar quem não conheço...

Para dizer que gosto de ti, dele e dela e do outro também.

Para dizer que sou tão feliz com tão pouco!
E afinal... "Passa-se tanta coisa!"

Abram os vossos corações... Deixem que os pormenores iluminem o vosso caminho... Porque nada mais vale do que nos sentirmos vivos...

[meu sorriso.]

Chuva...


As coisas vulgares que há na vida
não deixam saudades

Só as lembranças que doem

Ou fazem sorrir...

Há gente que fica na história
da história da gente

E outras de quem nem o nome

lembramos ouvir...


São emoções que dão vida
à saudade que trago
Aquelas que tive contigo

e acabei por perder...


Há dias que marcam a alma

e a vida da gente

E aquele em que tu me deixaste

não posso esquecer
...

A chuva molhava-me o rosto

Gelado e cansado

As ruas que a cidade tinha

Já eu percorrera...


Ai... meu choro de moça perdida

Gritava à cidade

Que o fogo do amor sob chuva

Há instantes morrera
...


A chuva ouviu e calou

meu segredo à cidade

E eis que ela bate no vidro

Trazendo a saudade...

terça-feira, junho 02, 2009

A beleza feminina... Descrita por um Homem.

"Não importa o quanto pesa. É fascinante tocar, abraçar e acariciar o corpo de uma mulher. Saber seu peso não nos proporciona nenhuma emoção.

Não temos a menor idéia de qual seja seu manequim. Nossa avaliação é visual, isso quer dizer, se tem forma de guitarra... está bem. Não nos importa quanto medem em centímetros - é uma questão de proporções, não de medidas.

As proporções ideais do corpo de uma mulher são: curvilíneas, cheinhas, femininas... . Essa classe de corpo que, sem dúvida, se nota numa fração de segundo. As magrinhas que desfilam nas passarelas, seguem a tendência desenhada por estilistas que, diga-se de passagem, são todos gays e odeiam as mulheres e com elas competem. Suas modas são retas e sem formas e agridem o corpo que eles odeiam porque não podem tê-los.

Não há beleza mais irresistível na mulher do que a
feminilidade e a doçura. A elegância e o bom trato, são equivalentes a mil viagras.

A maquiagem foi inventada para que as mulheres a usem. Usem! Para andar de cara lavada, basta a nossa. Os cabelos, quanto mais tratados, melhor.

As saias foram inventadas para mostrar suas magníficas pernas.. Porque razão as cobrem com calças longas? Para que as confundam conosco? Uma onda é uma onda, as cadeiras são cadeiras e pronto. Se a natureza lhes deu estas formas curvilíneas, foi por alguma razão e eu
reitero: nós gostamos assim. Ocultar essas formas, é como ter o melhor sofá embalado no sótão.

É essa a lei da natureza... que todo aquele que se casa com uma modelo magra, anoréxica, bulêmica e nervosa logo procura uma amante cheinha, simpática, tranqüila e cheia de saúde.

Entendam de uma vez!

Tratem de agradar a nós e não a vocês. porque, nunca terão uma referência objetiva, do quanto são lindas, dita por uma mulher. Nenhuma mulher vai reconhecer jamais, diante de um homem, com
sinceridade, que outra mulher é linda!

As jovens são lindas... mas as de 40 para cima, são verdadeiros pratos fortes. Por tantas delas somos capazes de atravessar o atlântico a nado. O corpo muda... cresce. Não podem pensar, sem ficarem psicóticas que podem entrar no mesmo vestido que usavam aos 18. Entretanto uma mulher de 45, na qual entre na roupa que usou aos 18 anos, ou tem problemas de desenvolvimento ou está se auto-destruindo.

Nós gostamos das mulheres que sabem conduzir sua vida com equilíbrio e sabem controlar sua natural tendência a culpas. Ou seja, aquela que quando tem que comer, come com vontade (a dieta virá em setembro, não antes; quando tem que fazer dieta, faz dieta com vontade (não se saboteia e não sofre); quando tem que ter intimidade com o parceiro, tem com vontade; quando tem que comprar algo que goste, compra; quando tem que economizar, economiza.

Algumas linhas no rosto, algumas cicatrizes no ventre, algumas marcas de estrias não lhes tira a beleza. São feridas de guerra, testemunhas de que fizeram algo em suas vidas, não tiveram anos 'em formol' nem em spa... viveram! O corpo da mulher é a prova de que Deus existe. É o sagrado recinto da gestação de todos os homens, onde foram alimentados, ninados e nós, sem querer, as enchemos de estrias, de cesárias e demais coisas que tiveram que acontecer para estarmos vivos.

Cuidem-no! Cuidem-se! Amem-se! A beleza é tudo isto.
"

[Paulo Coelho]

quarta-feira, maio 20, 2009

Não sei...

"Não sei, mas há um sentimento novo em mim a teu respeito...
Seria preciso que tu viesses debaixo de uma grande chuva, cheia de uma piedade infinita, e que me desses imediatamente todo o teu carinho - todo o carinho da tua alma.

Seria preciso que me desses meu abandono, todo o teu abandono. Que só eu estivesse em ti, que me abrigasses no teu coração com uma violência realmente maternal. Seria preciso tudo isso para que o nosso amor estivesse salvo.

É preciso que saibas que tenho sofrido estes dias e por onde tenho andado. É preciso que eu me confesse a ti. Mas não o posso. Não tenho, em ti, a grande confiança que é o sinal da unidade das almas.

No fundo de mim, há uma grande reserva a teu respeito. Uma movimentada atitude de espreita. Será melhor morrer do que continuar assim. Procedeste com uma futilidade que nunca te perdoarei... Nada neste mundo te deveria fazer deixar de estar comigo domingo, neste domingo em que ia ter contigo, em que eu ia pensar contigo.

Perdoei sempre as tuas indecisões a meu respeito, mas não posso esquecer que preferiste a mim essa vida estúpida e nua de praia de banho.

É melhor não me veres mais do que me fazeres sofrer assim. Não perdôo a tua leveza diante de minha alma, alma trágica, a alma de uma gravidade que não supões, de uma experiência na dor e no pensamento que a tua infância não sabe avaliar. Eu me enganei contigo. O meu amor não devia ser teu. Tu o desconheces inteiramente. Tu não lhe prestas a atenção que ele merece.

Estou sozinho. Mil vezes não te tivesse conhecido. Mil vezes não tivesse encontrado essa aparência que és tu, incapaz de uma longa degradação como eu sou. O que me causa horror é o seu desapreço por mim, homem de pensamentos, a tua desatenção pelo espírito que eu sou. Que tenhas feito do homem uma longa brincadeira, está bem, é de mulher nascida de mulher, embora não seja nobre nem justo - mas que tenhas te esquecido de mim..."

sexta-feira, maio 15, 2009

Conversas com o Espelho

Faz tempo que eu não marco encontros na agenda contigo Liliana...
Faz tempo que não te dedico o meu tempo...
Faz tempo que não vou tomar um café contigo e fico a ouvir-te em silêncio até tu te cansares de falar...
Faz tempo que eu não deixo que os teus olhos expulsem lágrimas que a tua alma não quer mais...
Faz tempo que a tua companhia se tornou a música e os livros...
Faz tempo que não vamos ver o mar...
Que não me sento contigo... Que te deixo ser quem és... Que te deixo libertares-te...

Tenho saudades tuas Liliana... E a culpa é minha...

É mais fácil para mim evitar-te... Esconder-me de ti... Esconder-me dos teus sentimentalismos... Das tuas fraquezas e sensibilidades... Vivo melhor sozinha com a minha racionalidade... Mais terra a terra... Mas contudo, menos coração a coração...

Tenho saudades Liliana...

Às vezes esqueço-me que não serve de nada proteger-me, esquecendo-me de ser quem sou...

Mas prometo-te: Há-de chegar o nosso tempo, eu vou procurar-te dentro de mim e vou agarrar-te... E vamos ver o mar... Vamos chorar... E vamos voltar para casa de mão dada...

E há-de fazer-se o tempo...
Tempo de ter paz comigo...
Contigo Liliana...


LP

terça-feira, maio 12, 2009

Mil Vezes...


Quando uma alma se aproxima da nossa vida com o intuito de ficar, não o faz somente em busca de conhecimento, apoio ou qualquer tipo de suporte. É por aqueles pedaços que vão levando, e por aqueles vão deixando, que ficam na nossa vida por determinado intervalo de tempo...
Até cumprirem a sua missão... Mas...
Mil vezes não houvessem missões a cumprir, não houvessem pedaços para deixar...
Menos ainda para levarem...
Mil vezes a nossa vida não passasse a ser a vida deles...
Mil vezes não tivessemos que abrir mão daquilo a que nos habituamos a ter...
Mil vezes nao tivessemos que abrir mão de nós...
Mil vezes não tivessemos que abrir mão de alguém para descobrirmos que ainda gostamos de nós mesmos...
Mil vezes não tivessemos que sorrir com meras lembranças...
Mil vezes não existesse o passado.
Mil vezes não houvesse noção de tempo.
Mil vezes o tempo não estivesse restrito à duração de uma vida...
Mil vezes a vida não estivesse restrita à morte...
Mil vezes a morte não fosse a ùltima saída...
Mil vezes a vida não fosse o oposto da morte...
Mil vezes a vida nao fosse o começo do fim...
Mil vezes o amor desse mais vida do que se morresse de amor...
Mil vezes o amor nascesse com a vida e jamais morresse com a morte...
Mil vezes voltar a nascer...
Mil vezes aprender a Andar.
Falar.
Mil vezes Escutar.
Mil vezes abraçar.
Sorrir.
Meditar.
Saborear.
Mil vezes deitar a sorrir.
Acordar a cantar.
Mil vezes comer o nosso prato preferido.
Mil vezes usar o nosso perfume especial.
Mil vezes sentirmo-nos uteis.
Mil vezes ouvirmos o coração bater.
Mil vezes gravar momentos.
Mil vezes falar sem medo.
Rir sem receio.
Pensar sem barreiras.
Mil vezes festejar.
Mil vezes mandar flores.
Enviar cartas.
Oferecer presentes.
Mil vezes ficar acordado a olhar a noite.
As estrelas.
A ti.
Mil vezes sonhar acordado.
Mil vezes sonhar alto.
Mil vezes desejar.
Mil vezes viajar.
Mil vezes ouvir a tua música favorita.
Mil vezes sentir a adrelina.
Mil vezes temer a vida.
Mil vezes correr o risco.
Mil vezes aventurar-se.
Mil vezes andar sem olhar para trás.
Mil vezes ir em frente.
Mil vezes remar a bom porto.
Mil vezes atravessar a ponte sem medo de cair.
Mil vezes levantar.
Mil vezes dar a mão.
Mil vezes torcer por nós.
Mil vezes olhar pra ti e não cansar. Gostar.
Mil vezes admirar o teu sorriso.
Sorrir contigo.
Mil vezes perder-me contigo.
Comigo.
Sem mim.

Mil vezes...

Mil vezes não dizer adeus.
Mil vezes, até sempre.

[2007]

domingo, maio 10, 2009

Sharing

Às vezes falta-me o tempo, outras vezes falta-me a vontade... E outras vezes até, as palavras para escrever...
Mas contudo, arranjei um pouco de tempo e de vontade, e com o mínimo de palavras resolvi escrever que...
Para cada momento tenho uma música...
E hoje, esta é a minha música de fundo... Que embala o meu estado de espírito...

Sigur Ros - "Njosnavelin (Nothing song)"...


Desafio do João

Este selo foi-me oferecido pelo João :)

Muito Obrigada
João! :)

E uma vez recebido...


O que temos a fazer é o seguinte:

1º - Colocar o selo no blogue
2º - Divulgar as regras
3º - Dizer 5 coisas que gosto na vida
4º - Indicar 10 blogues para os quais o envio
5º - Informar os blogues indicados que receberam o selo.



E então 5 coisas que eu gosto na vida:

  • Gosto de ter música à minha volta, em todo o lado...
  • Gosto de visitar amigos que já não vejo há uns tempos e sentir que tudo permanece como que se estivessem comigo todos os dias...
  • Gosto de ir ao café beber meia de leite e comer uma torrada com a minha mãe ao domingo de manhã...
  • Gosto de surpresas...
  • Gosto de entrar no meu quarto, sentir que fecho a porta para o mundo lá fora e a abro para o meu mundo...
E agora deixo o desafio a:

Where is my soul hiding?
Aqui eu...
Metamorfoses vividas
Moonlight
Sonhos de um anjo
Segredo da Lua
Onde me esperas
More than feelings

Inside me
5 sentidos e 1000 emoções


Thank You aLL.

quinta-feira, maio 07, 2009

Agradeço...


Por este selo que me foi oferecido por: Where Is My Soul Hiding =)

Ao receber o selo deve-se:

  • Listar 7 coisas que nos façam sorrir.
  • Indicar o selo a 5 blogs que nos façam sorrir.
  • Informar aos blogs indicados que eles receberam o selo.
E posto isto...

O que mais me faz sorrir é:

Em primeiro, ter o sorriso da minha mãe todos os dias...
Em segundo... Ter uma "mão cheia" de amigos, de bons amigos e saber que gostam de mim...
Em terceiro, ter saúde para dar e vender...
Em quarto, poder dizer que trabalho em algo que me faz sorrir só de pensar...
Em quinto, saber que nunca vou estar sozinha...
Em sexto, poder marcar cafés despreocupados com o pôr-do-sol...
Em sétimo e por último, sorrio pelo simples facto de ter já tantos motivos para sorrir... E por levar a vida com o meu sorriso...

E então os nomeados para os que me fazem sorrir são:

  • Rabiscos e Safanões Porque sorrio ao encontrar sempre tantas semelhanças na minha caminhada pela vida com os textos que encontro nesse cantinho...
  • Lost in a thought Porque o João tem uma forma sempre tão genuína de transmitir os pensamentos que faz sorrir enquanto me perco neles...
  • Paradoxos Porque não dá para ficar indiferente à forma paradoxal que o Edu escreve...
  • Templo do Amor Porque o Rui tem sempre uma força incrível nas palavras, que me faz sorrir...
  • Arroz com marmelada Porque mais do que sorrir, faz-me rir...

domingo, abril 26, 2009

As minhas últimas lágrimas...

Há uma semana atrás... Por esta hora, esperava-te já para jantar quando recebi um sms teu a dizer que não vinhas... Não vinhas jantar... Não vinhas dormir... Não mais voltavas, senão para levar as tuas coisas...
Agarrei-me à minha màgoa, à minha dor, e delas absorvi as forças necessárias para por tanta roupa e calçado e outros pertences teus, quanto conseguia, em sacos...
Cada peça de roupa me levou a datas do passado... Ocasiões especiais... Casamentos... Festas... Natais...
Os teus perfumes, cheirei-os uma última vez...
Os teus sapatos, que sempre tiravas antes de entrar dentro de casa...
Os quadros e livros que te ofereci...
Os dvd's... Os teus cd's favoritos...
Meti-te dentro de sacos. Tu que eras Enorme para mim... Estavas agora dentro de sacos. Nunca pensei que coubesses. Eu tinha orgulho em ti... Tinha orgulho em usar o teu apelido no meu nome... Tinha orgulho em passear contigo de braço dado... De te apresentar a todos os meus amigos...
Como pudeste?
Fotografias.
Roubei-te uma fotografia nossa, já desgastada pelo tempo, que passeaste durante anos na carteira... Agora ela passeia-me a mente... Como eu tinha Felicidade, Orgulho, Amor, estampado na testa...
Foste o mar que derrubou todos os castelos de areia que eu construí durante estes anos...
Tu devias ser o segundo pilar da minha existência... E foste um sacana egoísta... Como pudeste?
Como consegues dormir de noite? Será que dormes?
Não, não te odeio... Mas desprezo-te... E sinto a tua falta no entanto...
Sinto falta que perguntes à minha mãe se já estava em casa, quando chegavas...
Sinto falta do teu lugar preenchido à mesa...
De vermos Tv juntos no sofá... Dos filmes depois do jantar...
Saudades do meu beijo de boa noite...
Saudades de "Para onde vais trabalhar amanhã?"
Saudades tuas...
Contudo, tinha saudades de ter paz...
As lágrimas um dia vão secar, não vou mais sorrir forçosamente...
Não vou dizer à minha mãe que estou bem quando não estou, e que sou uma super mulher... Porque não será necessário... Terei um sorriso verdadeiro, não mais mecânico.
Herdei dela uma força inabalável... Mas não a capacidade de amar um ser tão errante como tu.
Não sou melhor que tu, tenho o teu sangue no meu sangue, mas apesar das nossas semelhanças, sou orgulhosamente mais Humana que tu.
Demos-te mais oportunidades do que era aceitável... E tu deitaste a derradeira... A tua última chance por terra!
Só queria que tivesses agarrado o resto de dignidade que te restava e fosses embora como um Homem, não como um cobarde.
Não mereces o amor que eu te tinha, o orgulho. Não mereces a minha mãe.
Não mereces as lágrimas dela, tudo o que ela já sofreu no corpo e na alma por tua culpa.
Não mereces ela ter vivido uma vida em tua função... Não mereces nada.
O meu silêncio é tudo o que tens hoje. Silêncio envolvido em desprezo, que se vão abraçando e ficando cada vez mais fortes...
A felicidade não é a meta, é o caminho... E eu e ela temos um longo caminho a percorrer...
Quanto a ti, só espero que a vida que escolheste te preencha o suficiente, porque não contes mais com o meu amor, com o meu carinho para te preencher... Esgotaste-os.
E as minhas lágrimas também se hão-de esgotar, porque...
Esta é a última vez que choro por ti, pai...

Um desafio...

1- Nome?
2- Porque lhe deram esse nome? Porque meus pais e madrinha gostavam muito...
3- Você faz pedidos às estrelas? Às estrelas... Não...
4- Quando foi a última vez que chorou? Ontem...
5- Gosta da sua letra? Gosto... Mas já gostei mais...
6- Gosta de pão com quê? Com fiambre e queijo (derretido)...
7- Quantos filhos tem? Nenhum hoje, "amanhã" não sei...
8- Se fosse outra pessoa seria seu amigo? Seria sim...
9- Saltaria de bungee-jump? Saltaria, adoro a adrenalina...
10- Dessamarra os sapatos antes de tirá-los? Não uso sapatos com atacadores...
11- Acredita que é uma pessoa forte? Sou... Tenho de acreditar que sim...
12- Gelado favorito? Corneto soft de avelã...
13- Vermelho ou Preto? Preto é a minha cor...
14- O que menos gostas em ti? De ter tanta "manteiga" no coração...
15- O que mais gostas em ti? A humildade...
16- De quem sente saudades? Da minha melhor amiga...
17- Descreve que tipo de roupa está a usar agora? Damned, pijama...
18- Qual foi a última coisa que comeu hoje? Ainda não comi hoje...
19- O que está ouvindo agora? All I need - One Republic
20- A última pessoa com quem falou ao telefone? Com a minha mãe...
21- Bebida favorita? Ice tea de limão...
22- Comida? Bacalhau! á moda do que quer que seja...
23- Último filme que viu no cinema e com quem?O estranho caso de Benjamin Button... Com dois bons amigos, a Ju e o Flávio...
24- Dia favorito do ano? A véspera de Natal...
25- Inverno ou Verão? Verão, apesar de gostar muito do inverno... Mas a chuva... Errr...
26- Beijos ou abraços? Abraços... Esses nunca se esquecem...
27- Sobremesa favorita? Pudim da mãe...
28- Que livro está a ler? A filha da minha melhor amiga... De Dorothy Koomson...
29- O que tem na parede do seu quarto? Não tenho nada nas paredes do quarto... (Ainda)
30- Filmes Favoritos? A procura da Felicidade...
31- Uma música? "Forever young" - Youth Group
32- Uma frase? "It's better to burn out than to fade away..."

E agora deixo-te o desafio a ti... :)

sábado, abril 25, 2009

Just Smile...


Há momentos em que sem dúvida, eu esqueço que estou a trabalhar e embarco em cruzeiros de alegria...

Trabalho em cruzeiros, e eis que hoje na hora de almoço, passa por mim um colega dos seus 30 e poucos anos, com uma travessa de arroz de pato na mão, quando um turista inglês dos seus 19, 20 anos o para e pergunta:

-Sorry, but: What's this?

Ao que o meu colega responde...

-This is Rice Quá Quá!!!

Não sei se os patos na Inglaterra também fazem Quá Quá, mas pela cara do rapazinho..............



Momentos em que rio. Sorrio.

quinta-feira, abril 23, 2009

Adeus


Ontem assisti de pé ao teu funeral...
Vi-te morrer no meu peito...
E descobri que eu era o ventilador que te mantinha vivo...
Fiquei de pé ouvindo palavra a palavra do que diziam ter sido a tua breve passagem por mim...
Do que serias se tivesses continuado a respirar...
E daquilo que fostes e eu nunca admiti...
Desceram-te e eu deixei-te ir...
Enterrei-te...
Enterrar-te era enterrar a minha dor...
Desculpa o meu egoísmo...
Enterrei-te com ela...
Conta sempre com as minhas flores...
Visitar-te-ei em acessos de memoria...
Melhor te-las enterrado tambem...
Mas agora...
Enterrei-te...

Adeus...
(4 Junho 2007)

quarta-feira, abril 22, 2009

Perenemente...


Quando penso nos últimos dois anos, encontro-te em várias memórias... E recordo-me de todos os momentos que passamos juntas... Recordo a tua roupa preta e a minha branca no dia em que chegaste à minha vida...
Recordo da primeira vez que subimos aqueles 40 degraus até ao nosso lar juntas...
Da primeira aula juntas.
Quando passo por aquelas ruas, lembro de passarmos por lá juntas...
Lembro de cairmos a rir juntas, quer de alegria ou dor...
Lembro-me de um abraço enorme entre lágrimas na nossa varanda numa noite de Verão...
Das noites passadas ao sabor da liberdade. Dos nossos brindes. A nós, a eles, aos que estavam, aos que viriam, e aos que já tinham ido... Mesmo aos que nunca chegaram a aparecer...
Lembro do primeiro ao ùltimo cortejo.
Lembro a primeira vez que trajamos.
Agradeço a tua presença até ao último momento.
Nunca esquecerei aqueles longos e elaborados lanches, que ainda cheiram a cappuccino e nuttela... Da partilha do pão e da água.
Todos os jantares e a pergunta: "O que vais jantar hoje?"
Há certas músicas que quando ouço é de ti que lembro... Ou porque as cantávamos juntas... Ou simplesmente porque gostavas... E "É isso aí" e de muito mais que me lembro quando olho para trás.
Não faças parte da minha memória só agora, faz parte dela para sempre Laetitia, porque o teu lugar aqui será pelo mesmo espaço de tempo... E não, Sempre não é demais.
Temos muito tempo para continuar a crescer, a aprender, a lutar, a rir e chorar...

Perenemente,

Tua Tyta...
[July 2007]

segunda-feira, abril 20, 2009

Uma vida, Uma história.

Ela cresceu com aquele homem na mente... Via-o todos os dias quando ele ia trabalhar... Tinham amigos comuns. Iam ao cinema, passeavam, partilhavam histórias, experiências, sonhos. Apaixonaram-se. Namoraram 3 anos. Casaram.
Tentaram construir com sacrifício um lar cujos alicerces deveriam ser carinho. Ternura. Arrisco Amor.
Ela engravidou.
Ele foi-se afastando.

[Uma criança nasceu.]

E trocou o lar por uma vida boémia.
Aos 3 meses de nascimento dessa criatura ele sai de casa.
Ela continuou a sua vida. Cresceu. Sua criança cresceu também.
Juntas viveram. Foram felizes.
Ela foi mãe, foi pai, foi heroína da história da vida dela. Deu o exemplo.
Um dia ele voltou.

[9 anos se haviam passado.]

O coração dela ainda era o albergue daquele pobre homem. Pediu perdão. Mostrou que queria mudar. Parecia ter mudado realmente. Ela perdoou.
Tentaram continuar com a obra que havia sido iniciada 10 anos antes, na madrugada de 1 de Janeiro daquele ano.
Mudaram de cidade. Mudaram de vidas. Saborearam a felicidade.

Porém, ninguém muda realmente.

[1 ano e 6 meses passaram]

Ele voltou ao mesmo. Rastejou. Jogou-se na lama. Arrastou-a juntamente à criança a que deram vida.
Ela mais uma vez foi heroína. Conseguiu levá-lo a bom porto.
Mais uma vez ele cai. Ela o levanta. Vezes sem conta.

[10 anos passaram]

Ele foi-se embora. Mais uma vez. De vez.
Ela passou uma vida a lutar por alguém que não queria mudar.
E ninguém muda.
Ninguém foge aquilo que nasceu.
Mascarou-se.
E quando a máscara caiu, ela realizou que perante ela estava quem esteve sempre, desde o primeiro dia. Nem tanto, nem tão pouco, simplesmente o mesmo homem.
A desilusão preencheu-lhe os dias.
[o futuro pertence-lhe]

Passam vidas a depositar esperanças mortas, falsas expectativas, naqueles por quem fariam tudo. Nunca interiorizando que nem sempre estão dispostos a retribuir com o mesmo. E a Desilusão corre nas veias.
A culpa não é apenas de quem erra, mas também, de quem achou que o outro nunca ia errar.

Despedida...


Lembro-me do dia em que fiz a última viagem de comboio para te visitar, sabendo que quando regressasse te deixaria para trás...
Lembro-me de trazer apontamentos de alguma cadeira para estudar pousados no banco ao meu lado... Mas no entanto fiz uma retrospectiva dos últimos anos, os que passamos juntas.
Olhei pela janela, sabendo que o sabor daquela imagem nunca mais seria o mesmo. Quando repetisse aquela viagem, aquelas 2h, não teriam mais aquela duração...
Temi o tempo ter passado depressa demais...
Lembrei a primeira vez que fiz aquela viagem, num domingo cinzento de outubro de 2005... E ali estava eu, num final de tarde de uma 2ª feira de maio de 2008. Preparava-me para a nossa despedida...
Tu que recebes de braços abertos todos quanto te procuram, sendo quase certo que um dia te abandonarão. Tu que me fizeste mulher, tu que me deixaste provar o doce e intenso sabor da liberdade. Tu, que me mostraste que a vida nem sempre é como queremos, mas basta acreditar, que alcançamos e não há impossiveis. Tu, que me fizeste conhecer as mais doces pessoas. Tu que deixaste almas e anjos perenes na minha vida. Tu, que és imensa...

Sinto a tua falta. Sentirei. Nunca deixarei de sentir. Sinto-te contudo...
Até sempre Coimbra...

domingo, abril 19, 2009

Estações de Comboios...

Entre passos já marcados pelo tempo...
"O comboio num vaivém sem descanso... Leva e traz anseios... Aproxima e afasta esperanças... Carrega e descarrega ilusões..."

sexta-feira, abril 17, 2009

Dias

Há dias em que ela carrega 90 anos num corpo de 21...
Há dias em que simplesmente o corpo já não tem forças pra se levantar da cama... Outros em que a mente a obriga, e age como que computadorizada.
Há dias em que sorri mecânicamente... Eu tenho saudades do verdadeiro sorriso dela...
A vida exigiu demais dela, pediu-lhe mais do que ela poderia dar.

26/12/08