Pedaços

quarta-feira, junho 05, 2013

Dormente

Hoje vou adormecer pensando que o MM tinha razão.
A parte mais difícil não é fazer malas, não é bater portas, nem tão pouco ir embora...
A parte difícil?
É não olhar para trás.
É colar os olhos na frente...
Levantar o queixo...
É contrariar a tendência de olhar o vazio e recordar em flashes de memória o que costumava estar naquele lugar...
É esse vazio que mata, que dói e enlouquece...
Outras vezes, nem é o vazio...
São as sombras no vazio. As que ficam.
As que dançam pelas paredes, e correm na sombra.
Umas vezes uns passos à frente, outras, uns atrás, nas memórias.
Outras como se estivessem lado a lado com a saudade.
E elas chamam por nós.
Chamam pelo nome.
E amarram-nos pelo coração.
Consegues não olhar quando dizem o teu nome?
Consegues ficar indiferente?
E quando ouves o eco da tua própria voz quando o pronuncias o teu nome?...
Sabes o quanto custa fingir?...
Não ouvir...
Não reconhecer...
Fingir que nem sequer importa?...
Custa...
Custa tanto como as palavras que eu gostava de dizer e não posso...
O orgulho que eu gostava de engolir e não consigo...
As saudades que eu não queria sentir e cultivo.
O carinho que eu não queria brotar e continua a crescer.
O silêncio que eu queria quebrar e alimento...
Os juízos de valor que eu abomino e faço sem querer.
As memórias que eu queria apagar e sublinho.
O que eu procuro esquecer e só me encontro quando recordo...
O que eu queria abraçar e afasto...
O que eu queria dizer e escrevo...
O que eu queria escrever e afogo...
Os sonhos que eu queria sonhar...
E os que eu queria viver...
O que eu queria ouvir...
O que eu queria ver e quase cego...
O que eu queria mostrar e escondo...
O que eu queria dormir, e nunca consigo adormecer.
Porque não há melodias que não embalem sentimentos, que não despertem emoções, e que não sussurrem "boa noite" como quem chama por mim.

1 comentário:

'mega' disse...

É a parte mais difícil porque é onde passamos mais tempo.. Passamos demasiado tempo no passado, a pensar em coisas que nunca poderemos mudar. Vivemos de "se's"... 'Se' eu tivesse virado à direita e não à esquerda, 'se' eu tivesse estudado, 'se' não lhe tivesse dado uma 2ª hipótese, 'se' lhe tivesse dado uma 2ª hipótese.. 'Se' não me tivesse vestido de Diana Krall e acabado na rotunda da boavista com uma garrafa de tequila na mão :))

Se dedicássemos pelo menos o mesmo tempo a olhar para a frente como o que passamos a olhar para trás talvez fosse mais produtivo.

Somos o que vivemos, o que passamos, lá atrás ficou tudo aquilo (bem ou mal) que faz de nós o que somos hoje. Por isso em vez de arrependimentos mais vale usar a experiência para fazer melhor para a frente.

kissy kiss